https://religiousopinions.com
Slider Image

Por que a religião existe?

A religião é um fenómeno cultural difuso e significativo, pelo que as pessoas que estudam cultura e natureza humana procuraram explicar a natureza da religião, a natureza das crenças religiosas e as razões pelas quais as religiões existem em primeiro lugar. Tem havido tantas teorias quanto os teóricos, parece, e enquanto nenhum capta totalmente o que é religião, todos oferecem importantes insights sobre a natureza da religião e possíveis razões pelas quais a religião persistiu através da história humana.

Tylor e Frazer - Religião é Sistematizada Animismo e Magia

EB Tylor e James Frazer são dois dos primeiros pesquisadores a desenvolver teorias sobre a natureza da religião. Eles definiram a religião como sendo essencialmente a crença em seres espirituais, tornando o animismo sistematizado. A razão pela qual a religião existe é para ajudar as pessoas a compreender os eventos que de outra forma seriam incompreensíveis, confiando em forças invisíveis e ocultas. Isso inadequadamente aborda o aspecto social da religião, no entanto, retratar a religião e o animismo são movimentos puramente intelectuais.

Sigmund Freud - Religião é uma neurose de massa

De acordo com Sigmund Freud, a religião é uma neurose de massa e existe como resposta a profundos conflitos e fraquezas emocionais. Subproduto do sofrimento psicológico, Freud argumentou que deveria ser possível eliminar as ilusões da religião ao aliviar essa angústia. Essa abordagem é louvável por nos fazer reconhecer que pode haver motivos psicológicos ocultos por trás da religião e das crenças religiosas, mas seus argumentos da analogia são fracos e muitas vezes sua posição é circular.

Emile Durkheim - Religião é um meio de organização social

Emile Durkheim é responsável pelo desenvolvimento da sociologia e escreveu que “a religião é um sistema unificado de crenças e práticas relativas a coisas sagradas, isto é, coisas separadas e proibidas”. importância do conceito de sacred e sua relevância para o bem-estar da comunidade. As crenças religiosas são expressões simbólicas de realidades sociais sem as quais as crenças religiosas não têm significado. Durkheim revela como a religião serve em funções sociais.

Karl Marx - Religião é o ópio das massas

De acordo com Karl Marx, a religião é uma instituição social que depende das realidades materiais e econômicas de uma dada sociedade. Sem história independente, é uma criatura de forças produtivas. Marx escreveu: "O mundo religioso é apenas o reflexo do mundo real". Marx argumentou que a religião é uma ilusão cujo propósito principal é fornecer razões e desculpas para manter a sociedade funcionando como ela é. A religião assume nossos mais altos ideais e aspirações e nos afasta deles.

Mircea Eliade - Religião é um foco no sagrado

A chave para a compreensão da religião de Mircea Eliade são dois conceitos: o sagrado e o profano. Eliade diz que a religião é principalmente sobre a crença no sobrenatural, que para ele está no coração do sagrado. Ele não tenta explicar a religião e rejeita todos os esforços reducionistas. Eliade se concentra apenas em “formas infinitas” de idéias que, segundo ele, continuam recorrendo a religiões em todo o mundo, mas, ao fazê-lo, ignora seus contextos históricos específicos ou as descarta como irrelevantes.

Stewart Elliot Guthrie - Religião é antropomorfização que deu errado

Stewart Guthrie argumenta que a religião é "antropomorfismo sistemático" - a atribuição de características humanas a coisas ou eventos não humanos. Nós interpretamos informações ambíguas como o que mais importa para a sobrevivência, o que significa ver os seres vivos. Se estamos na floresta e vemos uma forma escura que pode ser um urso ou uma rocha, é inteligente olhar um urso. Se estamos enganados, perdemos pouco; se estamos certos, nós sobrevivemos. Essa estratégia conceitual leva a "ver" espíritos e deuses trabalhando ao nosso redor.

EE Evans-Pritchard - Religião e Emoções

Rejeitando a maioria das explicações antropológicas, psicológicas e sociológicas da religião, EE Evans-Pritchard buscou uma explicação abrangente da religião que levasse em consideração tanto seus aspectos intelectuais quanto sociais. Ele não chegou a nenhuma resposta final, mas argumentou que a religião deve ser considerada como um aspecto vital da sociedade, como sua "construção do coração". Além disso, pode não ser possível explicar a religião. em geral, apenas para explicar e compreender religiões particulares.

Clifford Geertz - Religião como cultura e significado

Um antropólogo que descreve a cultura como um sistema de símbolos e ações que transmitem significado, Clifford Geertz trata a religião como um componente vital dos significados culturais. Ele argumenta que a religião carrega símbolos que estabelecem humores ou sentimentos especialmente poderosos, ajudam a explicar a existência humana, dando-lhe um significado final, e pretendem nos conectar a uma realidade que é "mais real" do que vemos todos os dias. A esfera religiosa, portanto, tem um status especial acima e além da vida regular.

Explicando, definindo e compreendendo a religião

Aqui, então, estão alguns dos principais meios de explicar por que a religião existe: como uma explicação para o que não entendemos; como uma reação psicológica às nossas vidas e arredores; como expressão de necessidades sociais; como uma ferramenta do status quo para manter algumas pessoas no poder e outras fora; como foco nos aspectos sobrenaturais e sagrados de nossas vidas; e como uma estratégia evolutiva para a sobrevivência.

Qual destas é a explicação correta? Talvez não devêssemos tentar argumentar que qualquer um deles é "justo" e, em vez disso, reconhecer que a religião é uma instituição humana complexa. Por que assumir que a religião é menos complexa e até contraditória do que a cultura em geral? Como a religião tem origens e motivações tão complexas, todas as respostas acima podem servir como uma resposta válida à pergunta: “Por que a religião existe?” Nenhuma, no entanto, pode servir como uma resposta exaustiva e completa para essa questão.

Devemos evitar explicações simplistas de religião, crenças religiosas e impulsos religiosos. É improvável que sejam adequados mesmo em circunstâncias muito individuais e específicas e são certamente inadequados quando se trata de religião em geral. Por mais simplistas que essas supostas explicações possam ser, todas elas oferecem insights úteis que podem nos aproximar um pouco mais da compreensão do que é religião.

Importa se podemos explicar e entender a religião, mesmo que seja só um pouquinho? Dada a importância da religião para a vida e a cultura das pessoas, a resposta para isso deve ser óbvia. Se a religião é inexplicável, então aspectos significativos do comportamento humano, crença e motivação também são inexplicáveis. Precisamos pelo menos tentar abordar a religião e a crença religiosa a fim de entender melhor quem somos como seres humanos.

Conheça Mefibosete: Filho de Jônatas Adotado por Davi

Conheça Mefibosete: Filho de Jônatas Adotado por Davi

Crie um Altar de Comida para Mabon

Crie um Altar de Comida para Mabon

Qual é o significado do apocalipse na Bíblia?

Qual é o significado do apocalipse na Bíblia?