https://religiousopinions.com
Slider Image

Biografia de Inácio de Antioquia: Pai Apostólico, Mártir Cristão

Inácio de Antioquia (cerca de 50 aC 110 dC) foi um dos primeiros mártires cristãos e uma figura importante na igreja cristã primitiva. Ele era um "pai apostólico", o que significa que ele tinha contato direto com os apóstolos de Cristo e com o segundo ou terceiro bispo cristão em Antioquia, na Síria. Inácio é mais conhecido por uma série de cartas que escreveu durante a viagem que levou de Antioquia a Roma, no final do qual foi executado na arena romana.

Fatos Rápidos: Inácio de Antioquia

  • Também conhecido como: Theophorus "God-Bearer"
  • Nascido: entre 35 e 50 dC, na Ásia Menor
  • Morreu: cerca de 110 dC em Roma
  • Obras Publicadas: Epístola aos Cristãos de Éfeso (Pros Efésios); de magnésia (Magnesieusin); de Tralles (Trallianois); de Roma (Pros Romaious); da Filadélfia (Philadelpheusin); de Esmirna (Esmirnaiois); e para Polycarp (Pros Polykarpon).
  • Principais realizações: Primeiro bispo missionário a reordenar a igreja na Ásia Menor, estabelecendo o início da teologia da igreja moderna
  • Citação Famosa: (ao saber que ele foi condenado à morte) "Eu te agradeço, ó Senhor, que Tu me concedeste honrar-me com perfeito amor por Ti, e me obriguei a ser amarrado com correntes de ferro, como teu apóstolo Paulo. "

Vida pregressa

Não se sabe muito sobre sua juventude, mas provavelmente nasceu Inácio entre 30 e 50 EC, provavelmente em algum lugar na Ásia Menor. Seu nome no nascimento era Inácio, mas ele recebeu o nome de "Teóforo" ("Portador de Deus") no batismo. O apóstolo de Cristo, Pedro, fundou a igreja em Antioquia e (talvez) nomeou Inácio para a Sé; Pedro foi o primeiro bispo e, segundo o historiador cristão Eusébio (263 a 239 EC), Pedro nomeou o segundo, Evodius. Inácio provavelmente ocupou o bispado após a morte de Evodius em 66 EC até sua própria morte, cerca de quarenta anos depois.

Bispo de Antioquia

Entre 105 e 106, o imperador romano Trajano (53–117 EC) travou uma batalha bem-sucedida contra os dácios e citas. Em gratidão a seus deuses pelo sucesso, Trajano intensificou uma campanha massiva contra a comunidade cristã na Ásia Menor, em particular, aqueles cristãos que se recusavam a sacrificar aos deuses. Enquanto estava em Antioquia, Trajano entrevistou o Bispo Inácio, que confessou sua firme convicção e, assim, Trajano o condenou à morte.

Como Inácio era uma figura importante na região, Trajano designou dez soldados para acorrentá-lo e escoltá-lo por terra e por mar até Roma. Uma vez em Roma, Inácio seria dilacerado por feras selvagens, como parte de um festival de 123 dias. A reação de Inácio foi chorar de alegria: "Eu te agradeço, ó Senhor, que Tu me concedeste honrar-me com perfeito amor por Ti, e me obriguei a ser amarrado com correntes de ferro, como teu apóstolo Paulo".

Viagem de Inácio a Roma

Os detalhes da jornada de Inácio de Antioquia a Roma são encontrados em "Martyrium Ignatii" ("O Martírio de Inácio"), um documento que os estudiosos acreditam ter alguns problemas. A primeira cópia existente data do século 10, e há algumas evidências de que ela foi "interpolada" ou fortemente embelezada.

Depois de ser preso em Antioquia, Inácio e sua equipe de guardas (Inácio os chamou de "leopardos" em suas cartas) viajaram para Selêucia, onde embarcaram em um navio e depois desembarcaram na Cilícia ou na Panfília. Lá, viajaram a pé para a Filadélfia e depois para Esmirna, onde passaram um tempo prolongado.

"O Martírio de Santo Inácio", tríptico do século XVI que mostra cenas da vida e martírio de Inácio de Antioquia. Do Museu do Abade de Basal, Bragança, Portugal. Art Media / Print Collector / Getty Images

Escrevendo as Cartas

Enquanto estavam em Esmirna, Inácio foi ver Policarpo (60–155 dC), um velho amigo dele que agora era o bispo de Esmirna. Representantes das igrejas de Éfeso, Magnésia e Tralles vieram ver Inácio, e foi em Esmirna que Inácio começou a escrever sua série de cartas epístolas às igrejas cristãs de diferentes cidades. Em Esmirna, escreveu cartas aos efésios, aos magnesianos e aos trallesianos, exortando-os a obedecer a seus bispos, evitar heresias e manter a fé. Ele também escreveu para a igreja em Roma, implorando a eles que não intercedessem por ele.

O grupo partiu de Esmirna de barco para Troas, onde Inácio escreveu mais três epístolas aos Filadelfinos, aos Esmirnos e finalmente a Policarpo. Ele queria se dirigir às multidões em Trôade, mas os guardas estavam finalmente impacientes para chegar a Roma - as festividades de 123 dias planejadas por Trajano estavam encerrando. Eles saíram de Troas, foram a pé para Épiro e depois de navio para atravessar o mar Adriático. Inácio queria parar em Puteoli, onde o apóstolo Paulo de Tarso (dC 67 dC) havia vivido, mas uma tempestade explodiu e eles tiveram que passar para Roma.

Morte de Inácio

Quando chegaram a Roma, Inácio foi levado à arena romana bem a tempo para os últimos dias do festival, e lá foi jogado na cova dos animais, onde foi despedaçado. De acordo com o "Martyrium Ignatii", antes da morte de Inácio, ele invocava cada vez mais o nome de Jesus, explicando aos tortos que ele era "o portador de Deus" e que o nome de Jesus estava escrito em seu coração. Quando seu coração foi aberto, diz a história, todas as peças tinham o nome de Jesus Cristo escrito nelas em letras douradas.

As peças do corpo quebrado de Inácio foram recolhidas e envoltas em linho e levadas de volta a Antioquia pelo diácono de Cicilia Filo e um cristão sírio chamado Rheus Agathopus: (esses dois homens geralmente são creditados com a versão original do Martyrium Ignatii) . Ele foi enterrado fora dos portões da cidade; seu corpo foi transferido para o Templo da Fortuna por Teodósio II (401-450); e finalmente mudou-se novamente para a Basílica de São Clemente, em Roma, em 637, que é onde eles dizem que permanecem até hoje.

Epístolas inacianas

Há sete cartas amplamente aceitas que Inácio escreveu a caminho de serem executadas. Eles provavelmente foram originalmente escritos em grego, mas todos, exceto um dos códices sobreviventes, estão em latim ou copta. Na idade média, o número das Epístolas Inacianas tinha crescido para 13, mas acredita-se que aquelas seis extras tenham sido escritas por outra pessoa, talvez já no século VI, mas não por Inácio.

As cartas aceitas são:

  • Epístola aos cristãos de Éfeso (Pros Efésios);
  • Epístola aos Cristãos da Magnésia (Magnesieusin);
  • Epístola aos cristãos de Tralles (Trallianois);
  • Epístola aos Cristãos de Roma (Pros Romaious);
  • Epístola aos Cristãos da Filadélfia (Philadelpheusin);
  • Epístola aos Cristãos de Esmirna (Esmirnaiois); e
  • Epístola a Policarpo (Pros Polykarpon).

Conteúdo das Cartas

O conteúdo dessas epístolas inacianas é extremamente importante para os estudiosos da religião. As cópias sobreviventes foram intensamente estudadas pela luz que lançaram sobre a igreja cristã primitiva na Ásia Menor e pela teologia pessoal de Inácio no seu contexto histórico. Eles revelam que no segundo século EC, o cristianismo estava passando por uma luta entre seus adeptos, alguns dos quais seguiam crenças e ritos pagãos e gnósticos que Inácio considerava heresia.

Havia alguns novos cristãos que queriam acreditar tanto em Moisés quanto em Cristo (chamados de judaizantes). Havia outros como os docetistas, que acreditavam que Cristo nunca foi humano, mas sim um ser divino. Ele tinha um corpo feito de uma substância superior, disseram os docetistas, que usavam enganos visuais para fazer parecer que ele nasceu de um humano e sofreu e morreu. Inácio argumentou que, se alguém mantivesse o sábado judaico (no sábado) em vez do "dia do Senhor" (no domingo), estaria negando que Cristo tivesse morrido.

Legado

Existem várias coisas estranhas sobre as letras, que são consideradas autênticas pela maioria dos estudiosos. Suas cartas são as primeiras referências conhecidas em grego ou latim às palavras "cristianismo", "católico" e "leopardo". Como bispo de Antioquia, ele não era suficientemente importante para dizer às igrejas de Magnesia e Filadélfia o que elas deveriam estar fazendo. Se Trajano quisesse, e assumindo que ele era o único que condenou Inácio à morte, ele poderia tê-lo executado em Antioquia. Inácio incitou a igreja em Roma a não tentar impedi-lo de ser martirizado; e embora seus captores o mantivessem acorrentado, eles levaram seu tempo para Roma, e permitiram o acesso a ele por outros bispos e muitos representantes de outras igrejas cristãs ao longo do caminho.

É possível que a guarda romana pensasse que dar às pessoas acesso a Inácio era bom para alertar os outros sobre os perigos da prática do cristianismo; eles podem ter ficado tanto tempo em Smyrna para acertar o cronograma da execução. Mas durante aquela viagem, Inácio reconheceu claramente que sua identificação como mártir (embora ele aparentemente nunca tenha usado essa palavra) tornou suas cartas significativas: ele se tornou um missionário credenciado.

A importância das epístolas de Inácio é que elas documentam o trabalho e a teologia do primeiro bispo missionário para reordenar a igreja, estabelecendo muitos dos aspectos católicos doutrinários que ainda são usados ​​hoje. Além de tornar inaceitáveis ​​as práticas gnósticas do judaizante e do doceticismo, as cartas estabelecem a santidade e a unidade da igreja, o tríplice caráter da Trindade, a hierarquia que torna os bispos superiores aos sacerdotes e a primazia da Sé em Roma.

Fontes

  • Barnard, LW "O pano de fundo de Santo Inácio de Antioquia". Vigiliae Christianae 17.4 (1963): 193-206. Impressão.
  • Brent, Allen. "O enigma de Inácio de Antioquia". The Journal of Eclesiastical History 57.3 (2006): 429 56. Impressão.
  • ---. "Inácio de Antioquia e o Culto Imperial". Vigiliae Christianae 52, 1 (1998): 30-58. Impressão.
  • Davies, Stevan L. "O predicado de Inácio de Antioquia". Vigiliae Christianae 30, 3 (1976): 175-80. Impressão.
  • Foster, Paul. "As Epístolas de Inácio de Antioquia (Parte 1)." The Expository Times 117.12 (2006): 487 ~ 95. Impressão.
  • Ivan, Ruben Ioan. "A conexão entre a salvação, o martírio e o sofrimento segundo Santo Inácio de Antioquia". Kairos: Jornal Evangelico de Teologia 7, 2 (2013): 167-82. Impressão.
  • O'Connor, John Bonaventure. "Santo Inácio de Antioquia". A Enciclopédia Católica . Nova Iorque: Robert Appleton Company, 1910. Impressão.
  • Roberts, Alexander e James Donaldson. "O martírio de Inácio". Padres Ante-Nicéia . Eds. Roberts, Alexander, James Donaldson e A. Cleveland Coxe. Búfalo, Nova Iorque: Christian Literature Publishing Co, 1885. Impressão.
  • Stoops, Robert F. "Se eu sofrer ... Autoridade Epistolar em Inácio de Antioquia". The Harvard Theological Review 80.2 (1987): 161-78. Impressão.
A disposição de cartão de tarô romana espalhada

A disposição de cartão de tarô romana espalhada

O que as 7 igrejas do Apocalipse significam?

O que as 7 igrejas do Apocalipse significam?

10 razões não tão boas para ser pagão

10 razões não tão boas para ser pagão