https://religiousopinions.com
Slider Image

Biografia de Santa Lúcia, portadora de luz

Santa Lúcia, também conhecida como Lúcia de Siracusa (284 a 304 dC), foi uma cristã primitiva que foi martirizada durante a perseguição Diocleciana no Império Romano. Ela é um dos santos mais venerados do cristianismo e uma das oito mulheres mencionadas pelo nome na missa católica romana. Os relatos de sua vida são diferentes, mas a maioria dos eruditos religiosos concorda que ela foi martirizada depois que um pretendente desapontado a denunciou como cristã. às autoridades romanas.

Fatos rápidos: Santa Lúcia

  • Conhecido por : mártir cristão primitivo cuja festa se tornou conhecida como um festival de luz
  • Nascido em : 284 dC em Siracusa, Império Romano
  • Morreu em 304 dC em Siracusa, Império Romano
  • Venerado Em : Igreja Católica Romana, Igreja Ortodoxa Oriental, Comunhão Anglicana, Luteranismo
  • Festa : 13 de dezembro

Vida pregressa

Lucy nasceu em 283 de pais ricos romanos na área de Siracusa. Seu pai parece ter sido um nobre romano, enquanto sua mãe, Eutychia, tinha origens gregas. Quando Lucy tinha cinco anos de idade, seu pai morreu, deixando Lucy e Eutychia se defenderem sozinhos.

Lucy era uma cristã desde cedo, que era desafiadora, se não francamente perigosa, na Roma pagã. Quando jovem, ela sabia que seria esperado que ela se casasse e que houvesse um dote reservado para ela. No entanto, ela secretamente consagrou sua virgindade a Deus, e ela tinha esperanças de ser capaz de levar uma vida celibatária e distribuir seu dote aos pobres.

Casamento forçado

A mãe de Lucy, Eutychia, ou não sabia do voto de sua filha ou estava preocupada com seu futuro como uma mulher solteira da fé cristã. Eutychia arranjou um casamento para Lucy, recrutando-a para um jovem de uma rica família pagã. Parte do noivado repentino foi devido à má saúde do Eutychia. Ela sofria de um distúrbio de sangramento desconhecido e queria garantir o futuro da filha rapidamente.

Devido à sua doença, Eutychia fez uma peregrinação ao santuário de Santa Ágata, um mártir cristão de uma era anterior de perseguição romana. Enquanto as mulheres estavam em peregrinação, Lucy experimentou uma visão de Santa Ágata em seus sonhos. A visão dizia a Lucy que sua mãe seria curada por causa da grande fé de Lucy e que Lucy alcançaria glória e honra.

Quando Lucy e Eutychia voltaram para casa, a saúde de Eutychia, de fato, melhorou significativamente. Lucy compartilhou sua visão com sua mãe e pediu permissão para distribuir a maior parte da riqueza de seu dote para os pobres. Eutychia tentou convencer Lucy a entregar as riquezas à sua vontade, em vez de imediatamente. Lucy recusou, explicando que a verdadeira caridade significava dar-lhe riquezas enquanto ainda estava viva, não quando ela estava morta e não tinha mais uso para elas.

Denúncia e Martírio

A notícia dos planos de Lucy para distribuir seu dote chegou ao seu noivo romano, que a denunciou furiosamente às autoridades romanas. Pascásio, o governador de Siracusa, ordenou que Lucy provasse sua devoção ao império e suas práticas religiosas, queimando um sacrifício a um ícone do imperador. Lucy recusou.

Paschiasius condenou Lucy a ser estuprada em um bordel como punição por sua recusa em obedecer. A tradição cristã afirma que os soldados enviados para levá-la embora foram incapazes de forçá-la a se mover, mesmo que a superassem em força física. Outras narrativas retratam Lucy perdendo os olhos, seja como meio de tortura por seus captores romanos, seja como uma automutilação para desencorajar as atenções de homens pagãos. Eventualmente, Lucy foi morto com uma espada. O relato tradicional afirma que, quando seu corpo foi preparado para o enterro no mausoléu de sua família, seus olhos foram milagrosamente restaurados.

Venerado pela História

No século VI, Santa Lúcia e sua história haviam se espalhado pelo mundo cristão, a tal ponto que ela foi mencionada no Sacramento do Papa Gregório I. Seu dia de festa foi celebrado em todo o mundo cristão até a Reforma Protestante e subsequentes cismas. Hoje, ela é venerada nas igrejas católica romana, ortodoxa, anglicana e luterana.

Santa Lucía é a santa padroeira dos cegos (ligada ao conhecimento de sua perda de olhos durante seu martírio), assim como de autores, alguns artesãos, trabalhadores e mártires. Ela também é a padroeira de Siracusa, na Sicília, Itália, onde passou sua curta vida. A nação insular de Santa Lúcia, localizada no Caribe, também considera Santa Lucía como sua padroeira.

O nome de Santa Lucía ( Lucia em latim) compartilha a raiz luc com a palavra latina para luz, lux . Por causa dessa conexão, Santa Lúcia é frequentemente retratada na arte e no costume religioso como portadora de luz - que também se liga ao seu patrocínio de olhos e visão. Seu dia de festa é 13 de dezembro, durante o Advento e no inverno para o Hemisfério Norte, portanto, há significativa iconografia de Lucy como portadora de luz na escuridão. Por essa razão, ela é particularmente venerada como parte do costume cristão escandinavo; as jovens se vestem com um vestido branco e usam guirlandas de luzes durante as celebrações nos dias mais escuros do inverno. De fato, o fato de a festa de Santa Lucy ser celebrada como um festival de luz parece apropriado para uma mulher que acreditava estar levando a luz do cristianismo em um mundo que a castigou por isso.

Fontes

  • de Voragine, Jacobus. A lenda de ouro . Tradução de William Caxton. https://sourcebooks.fordham.edu/basis/goldenlegend/.
  • Saint Lucy. Catholic Online, https://www.catholic.org/saints/saint.php?saint_id=75.
  • St. Lucy. Encyclopaedia Britannica, https://www.britannica.com/biography/Saint-Lucy
George Whitefield, Evangelista Encantador do Grande Despertar

George Whitefield, Evangelista Encantador do Grande Despertar

Projetos de artesanato de Litha

Projetos de artesanato de Litha

Marie Laveau, Misteriosa Voodoo Queen of New Orleans

Marie Laveau, Misteriosa Voodoo Queen of New Orleans