https://religiousopinions.com
Slider Image

De acordo com a ciência, Deus não existe

No debate sobre se Deus existe, temos teístas de um lado, ateus do outro e, no meio, ciência. Os ateus afirmam que há provas científicas de que Deus não é real. Os teístas, por outro lado, insistem que a ciência, de fato, não conseguiu provar que Deus não existe. Segundo os ateus, no entanto, essa posição depende de um entendimento equivocado da natureza da ciência e de como a ciência opera. Portanto, é possível dizer que, cientificamente, Deus não existe - assim como a ciência desconsidera a existência de uma miríade de outros seres alegados.

O que a ciência pode e não pode provar

Para entender por que "Deus não existe" é uma afirmação científica legítima, é importante entender o que a afirmação significa no contexto da ciência. Quando o cientista diz: "Deus não existe", eles significam algo semelhante a quando dizem "o éter não existe", "poderes psíquicos não existem" ou "a vida na lua não existe".

Todas essas declarações são uma abreviação para uma explicação mais elaborada e técnica, que é que essa suposta entidade (ou Deus) não tem lugar em nenhuma equação científica, não desempenha nenhum papel em explicações científicas, não pode ser usada para prever eventos, não descreve qualquer coisa ou força que ainda tenha sido detectada, e não há modelos do universo nos quais sua presença seja necessária, produtiva ou útil.

O que deve ser mais óbvio sobre a afirmação mais técnica é que ela não é absoluta. Não nega a todos os tempos qualquer possível existência da entidade ou força em questão; em vez disso, é uma declaração provisória que nega a existência de qualquer relevância ou realidade à entidade ou força com base no que sabemos atualmente . Os teístas religiosos podem ser rápidos em apoderar-se disso e insistir que isso demonstra que a ciência não pode "provar" que Deus não existe, mas isso exige um padrão demasiado estrito para o que significa "provar" algo cientificamente.

Prova Científica Contra Deus

Em "Deus: A hipótese falhada - Como a ciência mostra que Deus não existe", Victor J. Stenger oferece este argumento científico contra a existência de Deus:

  1. Hipotise um Deus que desempenha um papel importante no universo.
  2. Suponha que Deus tenha atributos específicos que devem fornecer evidência objetiva para sua existência.
  3. Procure por tal evidência com uma mente aberta.
  4. Se tal evidência for encontrada, conclua que Deus pode existir.
  5. Se tal evidência objetiva não for encontrada, conclua além de uma dúvida razoável que um Deus com estas propriedades não existe.

É basicamente assim que a ciência refutaria a existência de qualquer entidade alegada. Se Deus existisse, deveria haver evidência concreta de Sua existência - não fé, mas evidência tangível, mensurável e consistente que pode ser prevista e testada usando o método científico. Se não conseguirmos encontrar essa evidência, então Deus não pode existir como definido.

Certeza e Dúvida na Ciência

Naturalmente, nada na ciência é provado ou refutado além da sombra de qualquer dúvida possível. Na ciência, tudo é provisório. Ser provisório não é uma fraqueza ou um sinal de que uma conclusão é fraca. Ser provisório é uma tática inteligente e pragmática, porque nunca podemos ter certeza do que encontraremos quando chegarmos na próxima esquina. Essa falta de certeza absoluta é uma janela através da qual muitos teístas religiosos tentam enganar seu deus, mas esse não é um movimento válido.

Em teoria, pode ser possível que algum dia nos deparemos com novas informações que nos levem a explorar mais a hipótese de Deus. Se as evidências descritas no argumento acima foram encontradas, por exemplo, isso justificaria uma crença racional na existência do tipo de deus sob consideração. Isso não provaria a existência de tal deus além de qualquer dúvida, porque a crença ainda teria que ser provisória.

Também pode ser possível que o mesmo possa ser verdade para um número infinito de outros seres hipotéticos e forças sobrenaturais. Zeus ou Odin, cristão ou hindu - qualquer possibilidade de um deus ou deuses está à disposição para exploração.

O que significa "existir"?

Finalmente, para tal proposição como "Deus existe" ter significado para a ciência, precisamos definir o que "existência" neste caso significa. Quando se trata de Deus ou de uma série de deuses, sua existência depende da evidência de que eles tiveram ou continuam a ter um impacto no universo. Para provar o impacto no universo, deve haver eventos mensuráveis ​​e testáveis ​​que possam ser melhor ou apenas explicados por qualquer que seja esse "Deus" que estamos formulando. Os crentes devem ser capazes de apresentar um modelo do universo no qual algum deus é "ou requerido, produtivo ou útil".

Este não é obviamente o caso. Muitos crentes trabalham duro tentando encontrar uma maneira de introduzir seu deus em explicações científicas, mas nenhum conseguiu. Nenhum crente tem sido capaz de demonstrar, ou mesmo sugerir fortemente, que há algum evento no universo que exija um ser sobrenatural para explicar.

Em vez disso, essas tentativas constantemente fracassadas acabam reforçando a impressão de que não há "lá" ali nada para que "deuses" façam, nenhum papel para eles desempenharem e nenhuma razão para dar-lhes um segundo pensamento.

Até agora, todo mundo que tentou provar cientificamente que Deus existe falhou. Embora seja tecnicamente verdade que isso não significa que ninguém jamais será bem-sucedido, também é verdade que em todas as outras situações em que tais falhas são tão consistentes, não reconhecemos razões racionais ou mesmo sérias para nos incomodar em acreditar.

10 dos mais importantes santuários xintoístas

10 dos mais importantes santuários xintoístas

Benedict of Nursia, padroeiro da Europa

Benedict of Nursia, padroeiro da Europa

Biografia de São Perpétua, mártir cristã e autobiógrafo

Biografia de São Perpétua, mártir cristã e autobiógrafo