https://religiousopinions.com
Slider Image

Por que e quando as meninas muçulmanas usam o Hijab?

O hijab é um véu usado por algumas mulheres muçulmanas em países muçulmanos, onde a religião principal é o Islã, mas também na diáspora muçulmana, países onde os muçulmanos são populações minoritárias. Vestir ou não usar um hijab é parte religião, parte cultura, parte declaração política, até parte moda, e na maioria das vezes é uma escolha pessoal feita por uma mulher com base na intersecção de todos os quatro.

Vestir um véu do tipo hijab já foi praticado por mulheres cristãs, judias e muçulmanas, mas hoje é principalmente associado a muçulmanos, e é um dos sinais mais visíveis de uma pessoa ser muçulmana.

Tipos de Hijab

O hijab é apenas um tipo de véu usado pelas mulheres muçulmanas hoje e no passado. Existem muitos tipos diferentes de véus, dependendo dos costumes, interpretação da literatura, etnia, localização geográfica e sistema político. Estes são os tipos mais comuns, embora o mais raro de todos seja a burca.

  • O hijab é um lenço de cabeça que cobre a cabeça e o pescoço, mas expõe o rosto.
  • O niqab (reservado principalmente nos países do Golfo Pérsico) cobre o rosto e a cabeça, mas expõe os olhos.
  • A burca (principalmente no Afeganistão pashtun) cobre todo o corpo, com aberturas oculares de crochê.
  • O chador (principalmente no Irã) é um casaco de cor preta ou escura, que cobre a cabeça e todo o corpo e é mantido no lugar com as mãos.
  • O shamwar qamis é a roupa tradicional de homens e mulheres do Sul da Ásia, independente de afiliação religiosa, consistindo de uma túnica na altura do joelho e calças

História antiga

A palavra hijab é pré-islâmica, da raiz árabe hjb, que significa filtrar, separar, esconder da vista, tornar invisível. Nas línguas árabes modernas, a palavra refere-se a uma variedade de vestimenta apropriada para mulheres, mas nenhuma delas inclui uma cobertura facial.

Velar e segregar as mulheres é muito, muito mais antigo que a civilização islâmica, que teve seu início no século VII dC. Com base em imagens de mulheres usando véus, a prática provavelmente remonta a cerca de 3.000 aC. A primeira referência escrita sobrevivente ao véu e à segregação das mulheres é do século 13 aC. Casadas mulheres e concubinas assírias que acompanhavam suas amantes em público tinham que usar véus; escravos e prostitutas foram proibidos de usar o véu. Garotas solteiras começaram a usar véus depois que se casaram, o véu se tornando um símbolo regulado que significa "ela é minha esposa".

Vestir um xale ou véu sobre a cabeça era comum nas culturas do Bronze e da Idade do Ferro no Mediterrâneo - parece ter sido usado ocasionalmente entre os povos do sul do Mediterrâneo, dos gregos e romanos aos persas. As mulheres da classe alta estavam isoladas, usavam um xale que podia ser desenhado sobre a cabeça como capuz e cobriam o cabelo em público. Egípcios e judeus por volta do século III aC começaram um costume semelhante de reclusão e véu. Esperava-se que as mulheres judias casadas cobrissem seus cabelos, o que era considerado um sinal de beleza e um patrimônio privado pertencente ao marido e não para ser compartilhado em público.

História Islâmica

Embora o Alcorão não diga explicitamente que as mulheres devem ser veladas ou isoladas da participação na vida pública, as tradições orais dizem que a prática era originalmente apenas para as esposas do profeta Maomé. Ele pediu a suas esposas que usassem véus faciais para separá-las, indicar seu status especial e proporcionar-lhes certa distância social e psicológica das pessoas que vieram visitá-lo em suas várias casas.

O véu tornou-se uma prática generalizada no Império Islâmico cerca de 150 anos após a morte de Maomé. Nas classes abastadas, esposas, concubinas e escravos eram mantidos em ambientes fechados, separados dos outros chefes de família que pudessem visitá-los. Isso só era viável em famílias que podiam tratar as mulheres como propriedade: a maioria das famílias precisava do trabalho das mulheres como parte dos deveres domésticos e de trabalho.

Existe uma lei?

Nas sociedades modernas, ser forçado a usar um véu é um fenômeno raro e recente. Até 1979, a Arábia Saudita era o único país de maioria muçulmana que exigia que as mulheres fossem veladas quando saíam em público - e que a lei incluía mulheres nativas e estrangeiras, independentemente de sua religião. Hoje, o véu é legalmente imposto a mulheres em apenas quatro países: Arábia Saudita, Irã, Sudão e a província de Aceh, na Indonésia.

No Irã, o hijab foi imposto às mulheres após a Revolução Islâmica de 1979, quando o aiatolá Khomeini chegou ao poder. Ironicamente, isso aconteceu em parte porque o Xá do Irã estabeleceu regras excluindo as mulheres que usavam véus de obter educação ou empregos no governo. Uma parte significativa da revolta foram as mulheres iranianas, incluindo aquelas que não usavam o véu protestando na rua, exigindo o direito de usar o chador. Mas quando o aiatolá chegou ao poder, essas mulheres descobriram que não tinham o direito de escolher, mas que agora eram forçadas a usá-lo. Hoje, as mulheres flagradas ou impropriamente veladas no Irã são multadas ou enfrentam outras penalidades.

Opressão

No Afeganistão, as sociedades étnicas pashtuns usam, opcionalmente, uma burca que cobre todo o corpo da mulher e encabeça com uma malha ou abertura de malha para os olhos. Nos tempos pré-islâmicos, a burca era o modo de vestir usado por mulheres respeitáveis ​​de qualquer classe social. Mas quando o Taleban tomou o poder no Afeganistão na década de 1990, seu uso tornou-se generalizado e imposto.

Ironicamente, em países que não são majoritariamente muçulmanos, fazer uma escolha pessoal para usar o hijab é muitas vezes difícil ou perigoso, porque a maioria das populações vê o traje muçulmano como uma ameaça. As mulheres foram discriminadas, ridicularizadas e atacadas nos países da diáspora por usarem o hijab talvez com mais frequência do que quando o usam em países de maioria muçulmana.

Quem usa o véu e em que idade?

A idade em que as mulheres começam a usar o véu varia com a cultura. Em algumas sociedades, usar um véu é limitado a mulheres casadas; em outros, as meninas começam a usar o véu após a puberdade, como parte de um rito de passagem que indica que agora são adultos. Alguns começam muito jovens. Algumas mulheres param de usar o hijab depois de chegarem à menopausa, enquanto outras continuam a usá-lo durante toda a vida.

Existe uma grande variedade de estilos de véu. Algumas mulheres ou suas culturas preferem cores escuras; outros usam uma gama completa de cores, brilhantes, estampados ou bordados. Alguns véus são simplesmente simples lenços ao redor do pescoço e ombros superiores; a outra extremidade do espectro do véu são pelagens pretas e opacas de corpo inteiro, mesmo com luvas para cobrir as mãos e meias grossas para cobrir os tornozelos.

Mas na maioria dos países muçulmanos, as mulheres têm a liberdade legal de escolher se querem ou não velar, e que tipo de véu elas escolhem usar. No entanto, nesses países e na diáspora, há pressão social dentro e fora das comunidades muçulmanas para se conformarem com quaisquer normas que a família específica ou grupo religioso tenha estabelecido.

É claro que as mulheres não permanecem necessariamente passivamente submissas à legislação governamental ou às pressões sociais indiretas, sejam elas forçadas a usar ou forçadas a não usar o hijab.

Bases Religiosas para o Veiling

Três principais textos religiosos islâmicos discutem o véu: o Alcorão, concluído em meados do século VII dC e seus comentários (chamado tafsir ); o hadith, uma coleção de vários volumes de breves relatos de testemunhas oculares dos ditos e feitos do profeta Maomé e seus seguidores, considerado um sistema legal prático para a comunidade; e jurisprudência islâmica, estabelecida para traduzir a Lei de Deus ( Sharia ) como é enquadrada no Alcorão.

Mas em nenhum desses textos pode ser encontrada linguagem específica dizendo que as mulheres devem ser veladas e como. Na maioria dos usos da palavra no Alcorão, por exemplo, hijab significa "separação", semelhante à noção indo-persa de purdah . O verso mais comumente relacionado ao véu é o "verso do hijab", 33:53. Nesse verso, hijab se refere a uma cortina divisora ​​entre os homens e as esposas do profeta:

E quando você perguntar a suas esposas por qualquer objeto, pergunte a elas por detrás de uma cortina (hijab); isso é mais limpo para os seus corações e para os deles. (Alcorão 33:53, traduzido por Arthur Arberry, em Sahar Amer)

Por que as mulheres muçulmanas usam o véu

  • Algumas mulheres usam o hijab como uma prática cultural específica da religião muçulmana e uma maneira de se reconectarem profundamente com suas mulheres culturais e religiosas.
  • Alguns muçulmanos afro-americanos adotam-no como um sinal de auto-afirmação após gerações de seus ancestrais serem forçados a revelar e serem expostos no leilão como escravos.
  • Alguns simplesmente desejam ser identificados como muçulmanos.
  • Alguns dizem que o hijab lhes dá uma sensação de liberdade, libertação de ter que escolher roupas ou ter que lidar com um dia de cabelo ruim.
  • Alguns optam por fazê-lo porque sua família, amigos e comunidade o fazem para afirmar seu sentimento de pertencer.
  • Algumas meninas adotam para mostrar que são adultos e serão levadas a sério.

Por que as mulheres muçulmanas não usam o véu

  • Alguns escolhem parar de velar depois de se engajar com as escrituras e reconhecê-la não exige explicitamente que usem uma.
  • Alguns optam por parar de usá-lo porque a regra de modéstia do Alcorão diz: "não chame atenção para si mesmo" e usar o véu na diáspora o diferencia.
  • Alguns motivos podem ser modestos sem o hijab.
  • Algumas mulheres muçulmanas modernas acreditam que o hijab é uma distração de questões sérias como pobreza, violência doméstica, educação, opressão governamental e patriarcalismo.

Fontes:

  • Abdul Razak, Rafidah, Rohaiza Rokis e Bazlin Darina Ahmad Tajudin. "Interpretações do Hijab no Oriente Médio: discussões sobre políticas e implicações sociais para as mulheres". Al Burhan: Journal Of Quran E Sunnah Studies .1 (2018): 38 51. Impressão.
  • Abu-Lughod, Lila. "As mulheres muçulmanas precisam realmente de economia? Reflexões antropológicas sobre o relativismo cultural e seus outros." American Anthropologist 104.3 (2002): 783-90. Impressão.
  • Amer, Sahar. O que é velar? Civilização islâmica e redes muçulmanas. Eds. Ernst, Carl W. e Bruce B. Lawrence. Chapel Hill: A Universidade da Carolina do Norte Press, 2014. Imprimir.
  • Arar, Khalid e Tamar Shapira. "Hijab e Principalship: A Interação entre Sistemas de Crenças, Gestão Educacional e Gênero entre as Mulheres Árabes Muçulmanas em Israel." Gênero e Educação 28, 7 (2016): 851 66. Impressão.
  • Chatty, Dawn. "A capa da Burca: um aspecto do vestido no sudeste da Arábia." Idiomas do vestido no Oriente Médio . Eds. Ingham, Bruce e Nancy Lindisfarne-Tapper. London: Routledge, 1995. 127-48. Impressão.
  • Leia, Jen'nan Ghazal e John P. Bartkowski. "Véu ou não ao véu?" Gender & Society 14.3 (2000): 395-417. Imprimir: Um Estudo de Caso de Negociação de Identidade entre Mulheres Muçulmanas em Austin, Texas
  • Selod, Saher. "Cidadania Negada: A Racialização de Homens e Mulheres Muçulmanos Americanos após o 11 de setembro." Sociologia Crtica 41.1 (2015): 77-95. Impressão.
  • Strabac, Zan et al. "Vestindo o véu: Hijab, islamismo e qualificações profissionais como determinantes das atitudes sociais em relação às mulheres imigrantes na Noruega." Estudos Étnicos e Raciais 39.15 (2016): 2665-82. Impressão.
  • Williams, Rhys H. e Gira Vashi. "Hijab e as mulheres muçulmanas americanas: criando o espaço para os seres autônomos." Sociologia da Religião 68.3 (2007): 269-87. Impressão.
Sonhos proféticos: você está sonhando com o futuro?

Sonhos proféticos: você está sonhando com o futuro?

Jainism Crenças: Os Cinco Grandes Votos e os Doze Votos dos Leigos

Jainism Crenças: Os Cinco Grandes Votos e os Doze Votos dos Leigos

A vida do Padre Pio, santo católico

A vida do Padre Pio, santo católico