https://religiousopinions.com
Slider Image

Guia de Estudo Bíblico do Casamento da Ceia do Cordeiro

No livro do Apocalipse, o apóstolo João ouve (em vez de ver) a conclusão da história e compara-a ao som de uma grande festa nupcial - a ceia das bodas do Cordeiro. Esta imagem de uma celebração de casamento retrata a comunhão íntima e eterna do crente com Jesus Cristo, que começa no final dos tempos no recriado paraíso da Nova Jerusalém.

Versos Chave - Apocalipse 19: 6-9

Então ouvi o que parecia ser a voz de uma grande multidão, como o rugido de muitas águas e como o som de poderosos trovões gritando: “Aleluia! Porque o Senhor nosso Deus, o Todo-Poderoso, reina.

"Regozijemo-nos e exultemos e damos-lhe a glória, porque o casamento do Cordeiro chegou, e a sua Noiva preparou-se; foi-lhe permitido vestir-se de linho fino, brilhante e puro" o linho fino são as boas obras dos santos.

E o anjo me disse: “Escreve isto: Bem-aventurados os que são convidados para a ceia das bodas do Cordeiro.” E ele me disse: “Estas são as verdadeiras palavras de Deus”. (ESV)

O que é a ceia das bodas do cordeiro?

A ceia das bodas do Cordeiro é uma representação simbólica da comunhão alegre, íntima e eterna que ocorre entre Jesus Cristo (o Cordeiro de Deus) e sua noiva (a Igreja). Essa imagem futura de uma grande festa de casamento é tirada do imaginário do Antigo Testamento e do Novo Testamento.

Imagens do Antigo Testamento

Os escritores do Antigo Testamento frequentemente usavam casamentos, noivados, noivas, noivos e matrimônios como poderosos recursos ilustrativos. A nação de Israel foi freqüentemente comparada à esposa de Deus pelos profetas. De novo e de novo, quando Israel quebrou seus votos de aliança com Deus, ela foi comparada a uma esposa rebelde e infiel que havia quebrado seus votos matrimoniais (Oséias 1–2; Jeremias 2–3; Isaías 50; Ezequiel 16; 23).

O desenvolvimento do Cordeiro de Deus como imagem do Messias também começou no Antigo Testamento com freqüentes sacrifícios de animais. Na história de Abraão e Isaac, o Senhor provê o cordeiro de sacrifício, prenunciando o sacrifício de Deus de seu único filho, Jesus Cristo, na cruz no Calvário, pelos pecados do mundo. O livro de Isaías descreve o Servo Sofredor como um “cordeiro levado ao matadouro” (Isaías 53: 7).

Imagens do Novo Testamento

A imagem de Jesus Cristo como o Cordeiro sacrificial de Deus atinge o cumprimento no Novo Testamento. Quando João Batista primeiro vê Jesus, ele declara: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29, 36). Os primeiros cristãos acreditavam que Jesus era o Servo Sofredor de Isaías (Atos 8:32). O apóstolo Paulo descreve Jesus como o Cordeiro da Páscoa (1 Coríntios 5: 7). O apóstolo Pedro explica que os crentes são redimidos “com o precioso sangue de Cristo, como o de um cordeiro sem mácula ou mancha”. (1 Pedro 1:19, ESV)

Da mesma forma, o casamento e as imagens de casamento se expandem e se completam no Novo Testamento com a vinda de Jesus Cristo. O primeiro milagre de Jesus ocorre na festa de casamento em Caná (João 2: 1–11). João Batista chama Jesus de Noivo (João 3: 27-30). E o próprio Jesus freqüentemente fala do Reino de Deus em termos de uma alegre festa de casamento (Mateus 8:11; 22: 1-14; 25: 1-13; 26:29; Lucas 13: 28-29; 14: 15– 24).

Paulo introduz a metáfora da Igreja como a noiva de Cristo. Em Efésios 5: 25–27, ele explica que a relação entre maridos e esposas é como o relacionamento entre Jesus Cristo e a Igreja.

Contexto Histórico e Cultural

Para entender completamente as imagens da ceia das bodas do Cordeiro, é essencial considerar o contexto histórico dos casamentos na cultura na época de Cristo. Para um casal judeu entrar em matrimônio, eles tiveram que passar por um processo multifásico.

O passo inicial envolveu a assinatura do contrato de casamento, ou Ketubah, que foi executado pelos pais da noiva e do noivo. A família do noivo pagaria um dote à família da noiva, selando o noivado. Como tal, o período de engajamento oficial seria iniciado. O noivado estava vinculado aos termos do contrato de casamento. Durante esse período, o casal não morava junto ou mantinha relações sexuais entre si.

Tipicamente, um ano após o noivado inicial, uma procissão nupcial ocorreu da casa da noiva até a casa do noivo (como se vê na parábola das dez virgens em Mateus 25: 1–13). Para essa comemoração, a noiva se prepararia para receber o noivo. A fase final da cerimônia de casamento culminou em uma grande festa, a ceia das bodas, que poderia durar vários dias.

Imagens no livro do Apocalipse

As imagens chegam ao seu estágio final, no clímax, no livro do Apocalipse. A ceia das bodas do Cordeiro marca o fim do longo período de compromisso entre Jesus Cristo e a Igreja e o começo de uma eterna e ininterrupta comunhão de amor.

João se refere a Cristo como o Cordeiro que foi morto (Apocalipse 5: 6, 9, 12; 13: 8), que derramou seu sangue (Ap 5: 9; 7:14; 12:11), e que venceu a morte e o diabo (Apocalipse 12: 10-11; Romanos 8: 36-37). Jesus é o cordeiro vitorioso de Deus que conquista através do auto-sacrifício.

Jesus Cristo, o Cordeiro, é o Noivo e a Igreja é sua noiva. A ceia das bodas do Cordeiro, uma grande e alegre celebração, chega a este clímax glorioso perto do fim do livro do Apocalipse:

Vi a Cidade Santa, a nova Jerusalém, descendo do céu de Deus, preparada como uma noiva lindamente vestida para o marido. E eu ouvi uma voz alta do trono dizendo: “Olhe! A morada de Deus está agora entre o povo e ele habitará com eles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus. Ele enxugará toda lágrima de seus olhos. Não haverá mais morte ou luto, choro ou dor, pois a velha ordem das coisas já passou.
CameUm dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas veio e disse-me: Venha, eu vou mostrar-lhe a noiva, a esposa do Cordeiro.
E ele me levou no Espírito a uma montanha grande e alta, e me mostrou a Cidade Santa, Jerusalém, descendo do céu de Deus. Brilhava com a glória de Deus, e seu brilho era como o de uma jóia muito preciosa, como um jaspe, claro como cristal.
(Apocalipse 21: 2-11, ver também 19: 6-10; 22:17)

As passagens finais da Escritura apresentam vividamente os momentos culminantes da história humana. Esta imagem de uma festa de casamento entre Cristo e sua Igreja ilustra o plano de salvação de Deus - um grande e celebrado romance entre o Criador e sua criação. A metáfora da ceia das bodas do Cordeiro produz um retrato cativante do relacionamento profundamente amoroso, pessoal e eterno que Jesus Cristo desfruta com sua Igreja.

Perguntas para Reflexão

Os crentes podem experimentar uma comunhão íntima e eterna com Deus agora mesmo, a partir do momento da salvação. Mas quando o Noivo retorna para levar sua noiva aos novos céus e à nova terra - quando o noivado é consumado - essa relação excede em muito qualquer coisa que possamos experimentar atualmente. Você aceitou a proposta de casamento de Cristo? Você está se preparando como uma noiva que se prepara para seu noivo?

Marie Laveau, Misteriosa Voodoo Queen of New Orleans

Marie Laveau, Misteriosa Voodoo Queen of New Orleans

Como criar laços de oração tradicional nativo americano

Como criar laços de oração tradicional nativo americano

Deuses dos gregos antigos

Deuses dos gregos antigos