https://religiousopinions.com
Slider Image

Não cometerás adultério

O sétimo mandamento diz:

Não cometerás adultério. (Êxodo 20:14)

Este é um dos mandamentos mais curtos, supostamente dado aos hebreus e provavelmente tem a forma que originalmente fez quando foi escrito pela primeira vez, ao contrário dos mandamentos muito mais longos que provavelmente foram adicionados ao longo dos séculos. É também um daqueles considerados como os mais óbvios, mais fáceis de entender e mais razoáveis ​​de se esperar que todos obedeçam. Isso, no entanto, não é inteiramente verdade.

O problema, naturalmente, reside no significado da palavra "adultério". As pessoas hoje tendem a defini-lo como qualquer ato de relação sexual fora do casamento ou, talvez um pouco mais estreitamente, qualquer ato de relação sexual entre uma pessoa casada e alguém que não é seu cônjuge. Essa é provavelmente uma definição apropriada para uma sociedade contemporânea, mas não é como a palavra sempre foi definida.

O que é adultério?

Os antigos hebreus, em particular, tinham uma compreensão muito restrita do conceito, limitando-o apenas ao ato sexual entre um homem e uma mulher que já era casada ou pelo menos noiva. O estado civil do homem era irrelevante. Assim, um homem casado não era culpado de “adultério” por ter relações sexuais com uma mulher solteira e não-casada.

Essa definição estreita faz sentido se nos lembrarmos de que, na época, as mulheres eram frequentemente tratadas como pouco mais do que propriedade - um status um pouco mais alto que os escravos, mas não tão alto quanto o dos homens. Porque as mulheres eram como propriedade, ter relações sexuais com uma mulher casada ou noivada era considerado uso indevido da propriedade de outra pessoa (com a possível consequência de crianças cuja linhagem real era incerta - a principal razão para tratar as mulheres dessa maneira era controlar sua capacidade reprodutiva e garantir a identidade do pai de seus filhos). Um homem casado tendo relações sexuais com uma mulher solteira não era culpado de tal crime e, portanto, não estava cometendo adultério. Se ela também não era virgem, então o homem não era culpado de nenhum crime.

Esse enfoque exclusivo em mulheres casadas ou noivas leva a uma conclusão interessante. Porque nem todos os atos sexuais extraconjugais se qualificam como adultério, mesmo a relação sexual entre membros do mesmo sexo não seria considerada como violação do Sétimo Mandamento. Eles podem ser considerados como violações de outras leis, mas eles não seriam uma violação dos Dez Mandamentos pelo menos, não de acordo com o entendimento dos antigos hebreus.

Adultério Hoje

Os cristãos contemporâneos definem o adultério de forma muito mais ampla e, como conseqüência, quase todos os atos sexuais extraconjugais são tratados como violações do Sétimo Mandamento. Se isso é justificado ou não é discutível - afinal, os cristãos que adotam essa posição não tentam tipicamente explicar como ou por que justifica-se expandir a definição de adultério além de como ela foi originalmente usada quando o mandamento foi criado. Se eles esperam que as pessoas sigam uma lei antiga, por que não definir e aplicá-la como era originalmente? Se os termos-chave podem ser tão redefinidos, por que é importante o suficiente para se preocupar?

Ainda menos discutíveis são as tentativas de expandir o entendimento do adulterio além dos próprios atos sexuais. Muitos argumentaram que o adultério deveria incluir pensamentos lascivos, palavras lascivas, poligamia, etc. O mandado é derivado de palavras atribuídas a Jesus:

Ouvistes que foi dito aos antigos: Não adulterarás; mas eu vos digo que qualquer que olhar para uma mulher para a cobiçar, já cometeu adultério com ela em seu coração. (Mateus 5: 27-28)

É razoável argumentar que certos atos não sexuais podem estar errados e ainda mais razoáveis ​​para argumentar que os atos pecaminosos sempre começam com pensamentos impuros e, portanto, para impedir atos pecaminosos, devemos prestar mais atenção aos pensamentos impuros. Não é razoável, no entanto, equacionar pensamentos ou palavras com o próprio adultério. Fazer isso prejudica tanto o conceito de adultério quanto os esforços para lidar com ele. Pensar em fazer sexo com uma pessoa com quem você não deveria fazer sexo pode não ser sábio, mas não é a mesma coisa que o ato em si - como pensar em assassinato não é o mesmo que assassinato.

Afirmando x Jurar Juramentos no Tribunal

Afirmando x Jurar Juramentos no Tribunal

10 razões não tão boas para ser pagão

10 razões não tão boas para ser pagão

Rituais e Cerimônias Imbolc

Rituais e Cerimônias Imbolc