https://religiousopinions.com
Slider Image

Lei de herança no Islã

Como a principal fonte da lei islâmica, o Alcorão descreve as diretrizes gerais para os muçulmanos seguirem quando dividir a propriedade de um parente falecido. As fórmulas são baseadas em uma base de justiça, garantindo os direitos de cada membro da família. Nos países muçulmanos, um juiz do tribunal de família pode aplicar a fórmula de acordo com a composição e as circunstâncias familiares exclusivas. Em países não-muçulmanos, os parentes de luto são freqüentemente deixados para descobrir por conta própria, com ou sem o conselho de membros e líderes da comunidade muçulmana.

O Alcorão contém apenas três versículos que dão orientações específicas sobre herança (Capítulo 4, versículos 11, 12 e 176). As informações contidas nesses versículos, juntamente com as práticas do Profeta Muhammad, permitem que os estudiosos modernos usem seu próprio raciocínio para expandir a lei em grande detalhe. Os princípios gerais são os seguintes:

Obrigações Fixas

Tal como acontece com outros sistemas legais, sob a lei islâmica, a propriedade do falecido deve primeiro ser usada para pagar despesas de funeral, dívidas e outras obrigações. O que resta é então dividido entre herdeiros. O Alcorão diz: “do que eles deixam, depois de qualquer legado que eles possam ter feito, ou dívidas” (4:12).

Escrevendo um testamento

Escrever um testamento é recomendado no Islã. O Profeta Muhammad disse uma vez: “É dever de um muçulmano que tem algo a legar para não deixar passar duas noites sem escrever um testamento” (Bukhari).

Especialmente em terras não-muçulmanas, os muçulmanos são aconselhados a escrever um testamento para nomear um executor e a afirmar que desejam que seu patrimônio seja distribuído de acordo com as diretrizes islâmicas. Também é aconselhável que os pais muçulmanos designem um tutor para filhos menores, em vez de depender de tribunais não-muçulmanos para fazê-lo.

Até um terço do total de ativos pode ser reservado para o pagamento de um legado de escolha. Os beneficiários de tal legado não podem ser herdeiros fixados - membros da família que herdam automaticamente de acordo com as divisões descritas no Alcorão (ver abaixo). Fazer um legado para alguém que já herda uma parte fixa aumentaria injustamente a parte desse indivíduo sobre os outros. Pode-se, no entanto, exigir que os indivíduos que não são herdeiros fixos, outros terceiros, organizações de caridade, etc. O legado pessoal não pode exceder um terço da propriedade, sem permissão unânime de todos os restantes herdeiros, uma vez que suas ações precisariam ser reduzidas de acordo.

Sob a lei islâmica, todos os documentos legais, especialmente os testamentos, devem ser testemunhados. Uma pessoa que herda de uma pessoa não pode ser uma testemunha da vontade dessa pessoa, pois é um conflito de interesses. Recomenda-se seguir as leis do seu país / local ao elaborar um testamento, para que ele seja aceito pelos tribunais após a sua morte.

Herdeiros fixos: membros da família mais próximos

Depois de contabilizar legados pessoais, o Alcorão menciona explicitamente certos familiares próximos que herdam uma parte fixa da propriedade. Em nenhuma circunstância esses indivíduos podem ter sua parcela fixa negada, e esses valores são calculados diretamente após as duas primeiras providências (obrigações e legados).

Não é possível que esses membros da família sejam eliminados por vontade própria, porque seus direitos são descritos no Alcorão e não podem ser retirados, independentemente da dinâmica familiar. Os herdeiros fixos são parentes próximos, incluindo marido, esposa, filho, filha, pai, mãe, avô, avó, irmão pleno, irmã completa e vários meios-irmãos.

As exceções a essa herança “fixa” incluem descrentes: os muçulmanos não herdam de parentes não-muçulmanos, por mais próximos que sejam e vice-versa. Além disso, uma pessoa que é considerada culpada de homicídio (seja intencional ou não intencional) não herdará do falecido. Isso serve para desencorajar as pessoas de cometer crimes, a fim de beneficiar financeiramente.

A parte que cada pessoa herda depende de uma fórmula descrita no Capítulo 4 do Alcorão. Depende do grau de relação e do número de outros herdeiros fixos. Pode tornar-se bastante complicado. Este documento descreve a divisão de ativos como é praticado entre os muçulmanos sul-africanos.

Para obter ajuda em circunstâncias específicas, é aconselhável consultar um advogado especializado neste aspecto do direito da família muçulmana no seu país em particular. Há também calculadoras on-line (veja abaixo) que tentam simplificar os cálculos.

Herdeiros Residuais: Parentes Distantes

Uma vez que os cálculos são feitos para os herdeiros fixos, a propriedade pode ter um saldo remanescente. A propriedade é então dividida em “herdeiros residuais” ou parentes mais distantes. Estes podem incluir tias, tios, sobrinhas e sobrinhos, ou outros parentes distantes, se nenhum outro parente vivo permanecer.

Homens vs. mulheres

O Alcorão afirma claramente: Os homens devem ter uma participação no que os pais e parentes deixam para trás, e as mulheres devem ter uma participação naquilo que os pais e parentes deixam para trás (Alcorão 4: 7). Assim, homens e mulheres podem herdar.

Deixar de lado partes da herança para as mulheres foi uma idéia revolucionária em sua época. Na antiga Arábia, como em muitas outras terras, as mulheres eram consideradas parte da propriedade e deveriam ser compartilhadas entre herdeiros puramente masculinos. Na verdade, apenas o filho mais velho costumava herdar tudo, privando todos os outros membros da família de qualquer ação. O Alcorão aboliu essas práticas injustas e incluiu as mulheres como herdeiras por direito próprio.

É comumente conhecido e incompreendido que “uma fêmea recebe metade do que um macho recebe” na herança islâmica. Essa simplificação excessiva ignora vários pontos importantes.

As variações nas ações têm mais a ver com os graus de relação familiar e o número de herdeiros, em vez de um simples viés masculino versus feminino. O verso que estipula uma parte para um homem igual ao de duas mulheres aplica-se somente quando as crianças são herdadas de seus pais falecidos.

Em outras circunstâncias (por exemplo, pais que herdaram de uma criança morta), as ações são divididas igualmente entre machos e fêmeas.

Acadêmicos apontam que dentro do sistema econômico completo do Islã, faz sentido para um irmão obter o dobro das ações de sua irmã, já que ele é responsável por sua segurança financeira. O irmão é obrigado a gastar parte desse dinheiro na manutenção e cuidado de sua irmã; este é um direito que ela tem contra ele, que pode ser imposto pelos tribunais islâmicos. É justo, então, que sua parte seja maior.

Gastar antes da morte

Recomenda-se que os muçulmanos considerem atos de caridade contínuos a longo prazo ao longo de suas vidas, não apenas esperando até o final para distribuir qualquer dinheiro disponível. O Profeta Muhammad foi perguntado uma vez, Que caridade é o mais superior em recompensa? Ele respondeu:

A caridade que você distribui enquanto está saudável e tem medo da pobreza e deseja tornar-se rico. Não demore até o momento de se aproximar da morte e depois diga: “Dá tanto para fulano de tal, e tanto para fulano de tal.

Não há necessidade de esperar até o fim de sua vida antes de distribuir riqueza para causas beneficentes, amigos ou parentes de qualquer espécie. Durante sua vida, sua riqueza pode ser gasta da maneira que achar melhor. É somente após a morte, no testamento, que o valor é limitado a 1/3 da propriedade, a fim de proteger os direitos dos herdeiros legítimos.

Evidências arqueológicas sobre a história bíblica de Abraão

Evidências arqueológicas sobre a história bíblica de Abraão

Faça um olho de Deus em Mabon

Faça um olho de Deus em Mabon

8 Organizações Ambientais Cristãs

8 Organizações Ambientais Cristãs