https://religiousopinions.com
Slider Image

Ética e Moralidade: Filosofia do Comportamento, Escolha e Caráter

O que são ética e moralidade?

Ateístas e teístas freqüentemente debatem a moralidade em vários níveis: qual é a origem da moralidade, quais são os comportamentos morais apropriados, como a moralidade deve ser ensinada, qual é a natureza da moralidade etc. Os termos ética e moralidade são freqüentemente usados ​​de forma intercambiável e podem significar o mesmo ocorre em conversas casuais, mas em um nível mais técnico, a moralidade refere-se a padrões ou conduta moral, enquanto a ética refere-se ao estudo formal de tais padrões e condutas. Para os teístas, a moralidade normalmente vem de deuses e a ética é uma função da teologia; para os ateus, a moralidade é uma característica natural da realidade ou da sociedade humana e a ética é a.

Por que os ateus se importam com ética e moralidade?

Ateus não familiarizados com os princípios da filosofia moral estarão despreparados para discutir moralidade e ética com os teístas. Os ateus precisam ser capazes de responder, por exemplo, à afirmação de que a existência da moralidade prova que uma, ou que a moralidade é impossível no contexto do ateísmo. A ética também tem implicações mais amplas para as críticas dos ateus ao teísmo religioso, porque alguns ateus argumentam que as crenças religiosas e teístas são, em última instância, prejudiciais ao senso moral humano; tais argumentos não podem ser feitos de forma eficaz, entretanto, sem entender as diferenças entre os sistemas éticos naturalistas e sobrenaturais.

Moralidade Ateísta vs. Moralidade Teísta

Desentendimentos entre ateus e teístas no campo da moralidade ocorrem através das três principais divisões da filosofia moral: ética descritiva, ética normativa e metaética. Cada um é importante e deve ser abordado de maneira diferente, mas a maioria dos debates retorna a uma questão metaética: qual é a base ou a base da ética em primeiro lugar? Ateístas e teístas podem encontrar um amplo acordo nas outras categorias, mas há muito menos acordo ou um terreno comum aqui. Isso espelha o debate entre ateus e teístas sobre o fundamento apropriado para as crenças em geral e o conflito entre fé e razão.

Ética Descritiva

A ética descritiva envolve descrever como as pessoas se comportam e / ou os padrões morais que afirmam seguir. A ética descritiva incorpora pesquisas de antropologia, psicologia, sociologia e história para entender crenças sobre normas morais. Os ateus que comparam o que os teístas religiosos dizem sobre o comportamento moral ou a base para a moralidade contra como eles realmente se comportam precisam entender como descrever adequadamente tanto suas crenças éticas quanto suas ações. Para defender sua própria filosofia moral, os ateus precisam saber explicar com precisão a natureza de seus padrões morais, bem como as escolhas morais que fazem.

Ética normativa

A ética normativa envolve a criação ou a avaliação de padrões morais, portanto, é uma tentativa de descobrir o que as pessoas devem fazer ou se o comportamento moral atual é razoável. Tradicionalmente, a maior parte da filosofia moral envolve ética normativa - poucos filósofos não tentaram explicar o que acham que as pessoas deveriam fazer e por quê. A ética normativa religiosa e teísta freqüentemente se baseia nos comandos de um deus alegado; para os ateus, a ética normativa pode ter uma variedade de fontes. Os debates entre os dois freqüentemente giram em torno de qual é a melhor base para a moralidade tanto quanto qual deve ser o comportamento moral apropriado.

Ética Analítica (Metaética)

A ética analítica, também chamada de metaética, é contestada por alguns filósofos que discordam de que ela deva ser considerada uma busca independente, argumentando que deveria ser incluída sob a Ética Normativa. Em princípio, a metaética é o estudo das suposições que as pessoas fazem quando se envolvem em ética normativa. Tais suposições podem incluir a existência de deuses, a utilidade de proposições éticas, a natureza da realidade, se declarações morais transmitem informações sobre o mundo, etc. Debates entre ateus e teístas sobre se a moralidade requer a existência de um deus pode ser classificada como metaética debates.

Perguntas básicas feitas em ética

  • O que significa ser bom?
  • Como posso diferenciar o bem do mal?
  • A moral é objetiva ou subjetiva?

Textos Importantes sobre Ética

  • Ética a Nicômaco, de Aristóteles
  • Fundamentação da Metafísica da Moral, de Immanuel Kant
  • Além do bem e do mal, de Friedrich Nietzsche

Ética e Julgamentos Morais

Às vezes pode ser difícil diferenciar entre afirmações e proposições morais genuínas que não transmitem conteúdo moral ou afirmações. Se você estiver indo para debater a natureza da moralidade, no entanto, você precisa ser capaz de dizer a diferença. Aqui estão alguns exemplos de declarações que expressam julgamentos morais:

  • O despejo de produtos químicos nos rios está errado e deve ser banido.
  • É errado que nossa empresa esteja tentando evitar os regulamentos e deve parar.
  • Ele é uma pessoa má, ele nunca trata as pessoas bem e não parece respeitar ninguém.

Julgamentos morais tendem a ser caracterizados por palavras como dever, deve, bem e mal. No entanto, a simples aparição de tais palavras não significa que temos automaticamente uma declaração sobre a moral. Por exemplo:

  • A maioria dos americanos acredita que o racismo está errado.
  • Picasso foi um mau pintor.
  • Se você quiser chegar em casa rapidamente, você deve pegar o ônibus.

Nenhum dos acima são julgamentos morais, embora o exemplo # 4 descreva os julgamentos morais feitos por outros. Exemplo # 5 é um julgamento estético, enquanto # 6 é simplesmente uma declaração prudencial, explicando como atingir algum objetivo.

Uma característica importante da moralidade é que ela serve como um guia para as ações das pessoas. Por isso, é necessário salientar que são feitos juízos morais sobre as ações que envolvem escolha. É somente quando as pessoas têm alternativas possíveis para suas ações que concluímos que essas ações são moralmente boas ou moralmente ruins. Isso tem implicações importantes nos debates entre ateus e teístas, porque se a existência de um deus é incompatível com a existência do livre arbítrio, nenhum de nós tem qualquer escolha real naquilo que fazemos e, portanto, não pode ser considerado moralmente responsável por nossas ações. .

Qual é a marca de Caim?

Qual é a marca de Caim?

O que a Bíblia diz sobre jejuar por quaresma?

O que a Bíblia diz sobre jejuar por quaresma?

O que ver o rosto de Deus significa na Bíblia

O que ver o rosto de Deus significa na Bíblia