https://religiousopinions.com
Slider Image

Homero e o Evangelho de Marcos

A maioria dos estudiosos trata os evangelhos como seu próprio gênero literário independente que, em última análise, deriva do trabalho do autor de Marcos - uma combinação de biografia, aretologia e hagiografia, entre outras coisas. Alguns, no entanto, argumentam que há muito mais acontecendo do que se entende inicialmente, e uma linha recente de pesquisa envolveu traçar muito em Marcos a influência das epopéias gregas de Homero.

Opinião de Dennis MacDonald

Dennis MacDonald é o principal proponente dessa visão, e seu argumento é que o evangelho de Marcos foi escrito como uma imitação consciente e deliberada das histórias nos épicos homéricos. O objetivo era dar aos leitores um contexto familiar para descobrir a superioridade de Cristo e do cristianismo sobre os deuses e crenças pagãos.

MacDonald descreve o que estudiosos da antiguidade já sabem: quem aprendeu a escrever grego no mundo antigo aprendeu com Homero. O processo de aprendizagem foi mimesis ou imitação, e essa prática continuou na vida adulta. Os alunos aprenderam a imitar Homer reescrevendo trechos de Homero em prosa ou usando vocabulário diferente.

A forma mais sofisticada da mimesis literária era a rivalidade ou a emulatio, em que obras literárias eram exploradas de maneira sutil por autores que desejavam "falar melhor" do que as fontes que imitavam. Como o autor de Marcos era comprovadamente alfabetizado em grego, podemos ter certeza de que esse autor passou por esse processo como todo mundo.

Importante para o argumento de MacDonald é o processo de transvaloração. Um texto torna-se transvalorizante "quando ele não apenas articula valores diferentes daqueles de seu [texto] alvo, mas também substitui seus valores por aqueles em seu antecedente". Assim, ele argumenta que o Evangelho de Marcos, emulando épicos homéricos, pode ser entendido como "transcendental" da Ilíada e da Odisséia. Aemulatio de Mark surge do desejo de fornecer um modelo "novo e melhorado" que é superior aos deuses e heróis pagãos.

Paralelos entre Mark e Homer

Mark nunca menciona abertamente Ulisses ou Homero, mas MacDonald argumenta que as histórias de Marcos sobre Jesus são explícitas imitações de contos homéricos sobre personagens como Ulisses, Circe, Polifemo, Éolo, Aquiles e Agamenon e sua esposa, Clitemnestra.

Os paralelos mais fortes, no entanto, são aqueles entre Odisseu e Jesus: contos homéricos sobre Odisseu enfatizam sua vida sofredora, assim como em Marcos Jesus disse que ele também sofreria muito. Ulisses é um carpinteiro como Jesus, e ele quer voltar para casa assim como Jesus quer ser bem-vindo em sua terra natal e depois para a casa de Deus em Jerusalém.

Odisseu é atormentado por companheiros infiéis e estúpidos que exibem falhas trágicas. Eles estupidamente abrem uma bolsa mágica de vento enquanto Ulisses dorme e solta terríveis tempestades que impedem seu retorno para casa. Esses marinheiros são comparáveis ​​aos discípulos, que não acreditam em Jesus, fazem perguntas tolas e mostram ignorância geral sobre tudo.

Eventualmente, Ulisses pode voltar para casa, mas ele deve fazê-lo sozinho e apenas disfarçado, como se ele fosse objeto de um "segredo messiânico". Ele encontra sua casa tomada por pretendentes gananciosos para sua esposa. Ulisses permanece disfarçado, mas uma vez totalmente revelado, ele batalha, recupera sua casa e vive uma vida longa e próspera.

Tudo isso é notavelmente semelhante às provações e tribulações que Jesus tem que suportar. Jesus, no entanto, era superior a Odisseu, pois foi morto por seus rivais, mas ressuscitou dos mortos, tomou o seu lugar ao lado de Deus e acabará julgando a todos.

A tese de MacDonald também pode ser usada para resolver certos problemas:

  • ... A dependência de Marcos da Odisseia sugere soluções elegantes para alguns dos aspectos mais enigmáticos e controversos do Evangelho: sua descrição dos discípulos como ineptos, gananciosos, covardes e professores; seus interesses no mar, refeições e sigilo; e até mesmo sua misteriosa referência ao jovem anônimo que fugiu nu à prisão de Jesus.

Os detalhes do argumento de MacDonald são muito complexos para resumir mais aqui, mas eles não são tão difíceis de entender quando você os lê. Há alguma dúvida se sua tese é ou não mais forte do que precisa ser - uma coisa é argumentar que Homero foi uma influência importante, ou mesmo primária, na escrita de Marcos. Outra bem diferente é argumentar que Marcos foi projetado, do começo ao fim, para emular Homero.

Nomes de meninos indianos favoritos e seus significados

Nomes de meninos indianos favoritos e seus significados

Dente-de-Leão Magia e Folclore

Dente-de-Leão Magia e Folclore

Divindades Nórdicas

Divindades Nórdicas